O nome de substituição de Zion da matriz 4 tem 3 ovos de Páscoa escondidos

Num acto inteligente de simetria de franquia, o nome de substituição Zion de The Matrix 4 contém três ovos de Páscoa escondidos. Voltando ao mundo da Matrix cerca de 18 anos depois de The Matrix Revolutions, a última oferta de Lana Wachowski dividiu o público, com as fortes actuações do elenco de The Matrix Resurrections em desacordo com um guião por vezes jarrante.    No entanto, apesar de ter desenhado uma recepção crítica decididamente mista, The Matrix Resurrections funciona sem dúvida como uma carta de amor à sua franquia, com o filme de Wachowski repleto de detalhes escondidos, ovos de Páscoa, e chamadas de retorno à trilogia original Matrix.

Nas três primeiras parcelas da Matriz, o último bastião da civilização humana foi Sião. Na vida real, a Sião original era uma antiga cidade hebraica frequentemente usada como sinónimo de Jerusalém, com o regresso de Neo (Keanu Reeves) como Aquele também provavelmente uma referência velada ao seu estatuto de messias do cânone da Matrix.  Embora Zion sobreviva à investida das máquinas no final de The Matrix Revolutions, foi substituída pela idílica Io em The Matrix Resurrections e, em vez disso, actua como um exemplo brilhante de humanos e máquinas que coexistem pacificamente fora da Matrix.

Em The Matrix Resurrections, a substituição de Io de Sião contém três ovos de Páscoa cintilantes que remetem para a trilogia original da Matrix. O primeiro é a sua grafia, com Io sendo Zion sem princípio nem fim, o que remete para a famosa citação do Oráculo “tudo o que tem um princípio tem um fim” - implicando assim que a cidade utópica de Io será infinita no cânone Matrix. Em segundo lugar, Io é também o número dois em código binário (quando lido como 10), o que representa Io sendo a segunda cidade máquina a existir. Terceiro e finalmente, sendo Io o número dois em código binário, representa que em As Ressurreições Matrix, Neo e Trinity são ambos O Um como um par.

Machine City in Matrix Resurrections

Em The Matrix Revolutions, o Oráculo diz a Neo, “tudo o que tem um princípio tem um fim”. Embora esta linha tenha sido originalmente concebida para indicar a sua vontade de permitir o fim do ciclo perpétuo da Matrix na mão do agente Smith (Hugo Weaving), ela tem um significado maior quando olhada através do prisma da trama de The Matrix Resurrections. Io sendo literalmente a parte central da palavra Sião mostra que como Io não tem um começo, também não terá um fim, indicando que a nova cidade humana sobreviverá por toda a eternidade. Isto é particularmente pungente no contexto da narrativa de The Matrix Resurrections e posterior lançamento, com muitas audiências a acreditar que Resurrections será o último filme de Matrix canonicamente.

As camadas de ovos da Páscoa com Io não terminam aí, no entanto, sendo o nome Io também um aceno para o código que se tornou uma parte icónica da imagem original da trilogia Matrix. Io, portanto, actua em código binário como significante da segunda cidade das máquinas - assim como uma dica gritante do final de The Matrix Resurrections. Neo e Trinity representam O Um como um par (dois), reflectindo ainda mais o presciente nome de Io. A Matriz 4 pode não ser uma peça perfeita de cinema por muitos metros, mas a sua simetria com as parcelas anteriores da Matriz torna-a, no entanto, uma alegria de contemplar.

Relacionado